quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Fast Fútil

Já brinquei!
Já estudei!
Já amei!
Já chorei!

E agora agora agora?
O que faço se tenho fome
Fome que pão não mata
Piso na barata?

Na manhã vazia
Da cidade quente demais
Fria demais
Nada demais

Penso na Rainha da Galáxia
Semideusa ítalo-americana
Que não pode parar o tempo
E não sabe parar a chuva

A gente vai e volta
Canta e dança
Nothing really matters
Se amor rima com dor

Maldita língua
Marvada carne
Inútil rima
Fútil boêmio de padaria


Inspirado em Clarice Lispector.
Dedicado a Madonna.

2 comentários:

Julia disse...

Riri, é tudo fake!! O mundo tá cheio de nada!Somos todos fúteis boêmios de padaria (adorei isso), mas com um coração sensível batendo dentro do peito! Vc está cheio de belas inspirações. Te amo!
-Julia-

Humberto Deveza disse...

Aêe ariel, amigo, poema bom hein. Adorei a citação, principalmente a "e que nao sabe parar a chuva". PEfeito hein. Gamei nos seus poemas. Abração.